English version: www.centre.org.br/eng.htm

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

SOBRE JOSÉ LAÉRCIO DO EGITO


JOSÉ LAÉRCIO DO EGITO nasceu no município de São Vicente Férrer, interior do estado de Pernambuco, Brasil, entrando, assim, precocemente em contato com a Natureza, o que aguçou sua curiosidade sobre o sentido da Vida, sobre o ser e sua relação com o Cósmico. É Instrutor da Venerável Ordem Hermética (VOH) há mais de quarenta anos. É médico, formado, em 1959, pela Universidade Federal de Pernambuco, com formação em clínica geral e cirurgia, tendo, posteriormente, buscado outras formas de tratamento, como a Homeopatia. Decidiu transmitir seus conhecimentos nesta especialidade, sendo responsável pela divulgação e formação de muitos especialistas no Nordeste do Brasil. Publicou quatro livros de Homeopatia, o primeiro dosquais Contribuição para o Estudo da Teoria Miasmática, já na quarta edição no Brasil e com tradução na França, Alemanha e Inglaterra.
Desde a infância, o Respeitável Instrutor José Laércio do Egito se sente atraído pelo estudo do misticismo, sem, entretanto, misturar conhecimentos científicos oficiais com suas convicções filosóficas em torno do sentido da Vida em todos os seus aspectos. No Brasil e em Língua Portuguesa, foi pioneiro no sentido de redigir e organizar os diversos temas herméticos transmitidos pela VOH. Para isso, proferiu inúmeras palestras e escreveu centenas de temas herméticos, a maioria dos quais inédita naquele idioma e até mesmo no atual ciclo de civilização (espécie humana). É autor de vários livros sobre misticismo e religiões comparadas. São obras no campo místico, área dos seus questionamentos desde que tinha a idade de três anos. Pertenceu a dezenas de doutrinas, entre as quais a Maçonaria, o Rosacrucianismo, o Pitagorismo, a Cabala e o Hermetismo. Uma característica peculiar ao trabalho do Respeitável Instrutor José Laércio do Egito é não comercializar seus ensinamentos. Prefere disponibilizá-los gratuitamente em seu site pessoal.[1]
Atualmente, reside na cidade de Gravatá, Pernambuco, onde continua dirigindo grupos de estudos herméticos da VOH.[2]   


[1]  www.laerciodoegito.com.br       

[2]  O Respeitável Instrutor José Laércio do Egito não tem ligação oficial com a Ordem Centrênica (CENTRE).
        
*******
SOBRE A VOH
José Laércio do Egito - F.R.C.

A VOH existe desde o antigo Egito, transmitindo os ensinamentos de Thoth.
Aquilo que atualmente é denominado “Hermetismo” ou “Ciências Herméticas” compreende um campo de conhecimento muito vasto. A cada dia, vemos “Ordens e Sociedades herméticas”; ouvimos falar de “conhecimentos herméticos”. À primeira vista, o leigo acredita que a palavra “hermética”, presente em inúmeras instituições, significa “oculto”, “secreto”, “misterioso”, “velado”. Mas não é este o sentido. Aquilo que é ensinado como “Hermetismo” possui raízes tão antigas, cujo início exato é impossível de ser datado. Acreditamos que, na verdade, trata-se do registro de todos os conhecimentos que a Humanidade vem acumulando, ciclo após ciclo de civilização, mesmo muito antes da Atlântida.
       Na atualidade, o Hermetismo é o conglomerado de conhecimentos que determinadas organizações possuem, ou dizem possuir, cujas origens são atribuídas a Hermes Trismegisto. Na verdade, Hermes Trismegisto, considerado um deus do Panteão da antiga Grécia, recebeu o mérito de ser o autor daqueles conhecimentos, mas o que ocorre é que foram trazidos até o atual ciclo de civilização, no antigo Egito, por Thoth, também considerado um deus, mas pela antiga civilização egípcia. Como a origem dos conhecimentos herméticos data de alguns milhares de anos, é natural que, durante tão longo tempo, tenham ocorrido grandes transformações, tanto no que diz respeito a aspectos institucionais, quanto no contexto dos próprios ensinos. Disto, resultou um grande número instituições que, no passado, assim como no presente, tem-se intitulado “Ordem hermética”. Reconhecemos que os conhecimentos e a estruturação de algumas são efetivamente oriundos das Escolas de Mistérios do antigo Egito. A este respeito, sabemos que o termo “Ordem” só apareceu depois da decadência da civilização egípcia, quando grupos de estudiosos deram nomes às instituições que transmitiam os conhecimentos deixados por Thoth. Ao mesmo tempo, estes ensinamentos continuaram a ser restritos aos seus adeptos. Com efeito, quando as Ordens foram instituídas, os ensinamentos passaram a ser velados, em decorrência das perseguições que os mesmos sofriam. Estas perseguições eram promovidas por algo que é conhecido pelos nomes de “Conjura do Silêncio”[1], “Terceiro Interesse”[2] ou “Obscurantismo”. Mas não há segredo no que tange aos ensinos da Filosofia Hermética, apesar de existirem algumas reservas. Portanto, o sentido de “oculto”, de “secreto”, de “misterioso” ou de “velado” vem desde as Escolas de Mistérios.
     Como vimos acima, o Hermetismo cobre um vasto campo de conhecimento, sendo, portanto, muito abrangente, por compreender, em última análise, o somatório de saberes milenares da Humanidade. No atual ciclo de civilização, podemos afirmar que existem duas fontes básicas do conhecimento místico-filosófico: Hermetismo e Vedanta. O Hermetismo é a base de todo o misticismo ocidental, enquanto a Vedanta é a base do misticismo oriental. Não há doutrina místico-filosófica oriental que não tenha como base, direta ou indireta, os ensinamentos vedânticos. No Ocidente, nenhuma doutrina místico-filosófica pode dizer que não possui o Hermetismo como base, seja ela a Alquimia, a Cabala, a Magia, a Maçonaria, o Rosacrucianismo e muitas outras, que são, portanto, direta ou indiretamente, oriundas do Hermetismo. Falamos de duas fontes básicas, mas vale salientar que, na verdade, possuem uma mesma origem, apenas uma parte entrou neste ciclo de civilização através dos Vedas, na Índia, e a outra através de Thoth, no antigo Egito. Atualmente, vemos um reencontro entre as duas fontes, pois já é bem grande o sincretismo entre as doutrinas místico-filosóficas orientais e as ocidentais.
De acordo com o que afirmamos acima, desde muito tempo existem instituições que se intitulam “Sociedades ou Ordens herméticas”. Muitas delas trazem ensinamentos autênticos, embora algumas atribuam o nome “hermética” a conceitos de grupos ou “meras fantasias”. Entre as organizações autênticas, citamos, por exemplo, a Venerável Ordem Hermética [VOH]. Sobre esta Ordem, trata-se de um ramo do Hermetismo cujo objetivo é transmitir conhecimentos milenares, segundo foi ensinado por Thoth na Atlântida e no antigo Egito, porém, fazendo uso de linguagem não-velada, com conceitos expressos em terminologia atual, em consonância com a ciência moderna e com a época atual. Além disso, trata-se de uma instituição cujo objetivo não visa a qualquer lucro financeiro, não tem por objetivo “fazer proselitismo”. Desta forma, é uma Ordem caracterizada por não possuir associados oficiais, diretoria, sedes sociais, bens materiais, mensalidades, taxas de quaisquer tipos e ritualística místico-simbólica. No plano material, a VOH atua através do estímulo psíquico à formação de grupos de estudo[3], relativamente autônomos, orientados por discípulos mais experientes e que não se intitulam “mestres”. Quando muito, podem ser considerados respeitáveis Instrutores.
O Fogo é um dos símbolos da Ordem.

A VOH possui uma direção orientadora de nível internacional com representação em alguns países, trabalhando discretamente e visando, em especial, à divulgação de efetivos conhecimentos milenares, através de uma metodologia capaz de atender àqueles que sentem necessidade de certos conhecimentos tradicionais. No ápice da Ordem, mas ao nível não-material, há Três Iniciados. A seguir, um grupo com Doze membros e, em terceiro plano, um “conselho”, composto por 72 membros. Na verdade, a atuação desses membros objetiva apenas à adaptação dos ensinos herméticos à época, sem qualquer modificação do conhecimento básico, pois a verdadeira via de acesso às verdades herméticas não se faz através de “Instrutores”, mas através da Egrégora[4] da Ordem. Nenhum Instrutor possui qualquer prerrogativa de ingerência nas experiências dos discípulos, nenhum título ele pode conceder a quem quer que seja. Na verdade, possui, como função principal, transmitir os conhecimentos básicos da VOH, por meio dos quais o próprio discípulo se torna apto a estabelecer uma ligação psíquica com a Egrégora da Ordem. É o discípulo quem amplia e aprofunda o seu próprio nível de percepção, para receber o conhecimento da Eterna Fonte Cristalina do Saber Cósmico.
        Como já ressaltamos, os estudos do Hermetismo são muito amplos, abrangendo muitos ramos do conhecimento, como, por exemplo, a Filosofia, a Teologia, a Astronomia, a Alquimia, a Magia, a Cosmologia, a Medicina e a Metafísica. Na realidade, os escritos herméticos autênticos, transmitidos por Thoth, superam a casa dos 100.000 papiros. No antigo Egito, parte desse conhecimento era de domínio público, mas havia uma parte reservada aos Iniciados das Escolas de Mistério. Com o decorrer do tempo, aquilo que era do domínio público era progressivamente eliminado, de modo que um elevado número de documentos foi destruído, propositalmente, pela Conjura do Silêncio, certamente assediada pelo Terceiro Interesse. Contudo, o conteúdo daquilo que havia sido guardado pelas Escolas de Mistério foi, em grande parte, preservado e, nos dias atuais, faz parte dos acervos de algumas Ordens místicas tradicionais. A este respeito, a Tradição nos informa que as Tabuas de Esmeralda[5], assim como os papiros correspondentes a cada uma das Doze Câmaras Secretas, ainda existem e estão guardadas soterradas sob o Templo da Esfinge[6], no Egito.
Do que expusemos, vemos, portanto, que, durante séculos, algumas organizações tornaram-se depositárias dos conhecimentos herméticos, os quais vieram a constituir a base dos seus ensinamentos. Efetivamente, existem diversas Ordens dedicadas aos estudos herméticos e que atuam separadamente, no que diz respeito aos objetivos específicos. Por exemplo, determinada Ordem se concentra mais sobre a Cabala. Outras, sobre a Magia, a Alquimia ou a metafísica, assim por diante. Senão impossível, pelo menos pouco prático uma só Organização dedicar-se à totalidade do colossal volume de ensinamentos e informações deixados por Thoth. As Ordens herméticas autênticas, guardiãs dos segredos arcanos, as quais se dedicam aos aspectos cosmogônico e filosófico do Hermetismo, classificam e distribuem os seus ensinamentos em níveis denominados “Câmaras”, da mesma forma como era feito no antigo Templo da Esfinge. Simbolicamente, as Câmaras representam tanto o desenvolvimento espiritual da pessoa quanto o nível de conhecimento acessível a todos os que tenham a precisa dedicação.
Em estudos futuros[7], falaremos dos seres habitantes das Câmaras. Veremos que, por exemplo, a Décima Primeira Câmara corresponde aos Mensageiros Divinos, Avatares, Patriarcas e Iniciadores. Este é um dos sentidos das Câmaras: indicar o grau de ampliação cosmoperceptiva do ser. Contudo, em outro sentido, indicam, em caráter simbólico, os Doze níveis de conhecimentos esotéricos. Por exemplo, uma das Câmaras diz respeito aos conhecimentos de “Cabala”. Outra, de “Alquimia” ou “Magia”, assim por diante. Além disso, ressaltamos que, no sentido de “grau espiritual”, as Câmaras se sucedem, mas, no sentido de “conhecimento esotérico”, não é assim, pois a pessoa pode adquiri-lo sem que tenha aprendido o das demais Câmaras. Para um bom entendimento, é significativo que a pessoa tenha um conhecimento geral da temática básica de todas as Câmaras, mas não é exigido que tome o conhecimento de uma Câmara para poder passar para a seguinte. Na verdade, isto seria impossível, devido à notável amplitude do Hermetismo. A rigor, o estudo das Câmaras está mais diretamente ligado à inclinação pessoal, de modo que uma pessoa pode interessar-se mais pelos assuntos de uma Câmara do que pelos de outra. Na VOH, as Câmara assemelham-se aos Graus de outras Organizações, como, por exemplo, a AMORC[8], a Golden Dawn[9] e a Maçonaria. Logo, em determinadas linhas herméticas, os ensinamentos são distribuídos em doze níveis, que indicam o grau de estudo hermético alcançado pela pessoa. 
Já ressaltamos que a palavra “hermética” é freqüentemente empregada para indicar “segredo”, mas, na verdade, os ensinamentos herméticos não são essencialmente sigilosos. O único sentido aplicável ao conhecimento hermético é o de “respeitável” ou “reservado”, visto que alguns ensinamentos podem abalar a compreensão de alguma pessoa que não esteja preparada para entendê-los e assimilá-los. Com efeito, determinados ensinamentos herméticos podem desestabilizar e violentar psiquicamente o estudante inadequado para estes estudos. Por isso, é desejável que, antes de tomar ciência destes assuntos, a pessoa adquira, inicialmente, um preciso embasamento, a fim de não se sentir violentada mentalmente pela natureza do que é afirmado ou que, por outro lado, por não entendê-los, os desrespeite, os vulgarize ou ridicularize as pessoas que os aceitam. Assim, a pessoa pode se sentir agredida mentalmente por determinados assuntos estudados no Hermetismo, quando ainda não está preparada para absorvê-los. Contudo, isto não ocorre quando se trata de alguém que tenha um nível mental suficientemente preparado para penetrar no mérito daquilo que é ensinado.
Para que o estudante possa entender certos assuntos herméticos, é preciso que já tenha atingido certo desenvolvimento psíquico, o que é conseguido através dos métodos usados pela Ordem. Revelar conhecimentos intempestivamente faz com que a pessoa não medite, não raciocine sobre eles, não busque a compreensão devida, não analise detalhadamente os diversos ângulos de um tema. No Hermetismo, a análise detalhada sobre um assunto amplia sobremaneira o entendimento, o que promove, por assim dizer, um desenvolvimento psíquico necessário para a absorção de conhecimentos ainda mais elevados. Por esta razão é que os ramos herméticos autênticos dão preferência ao ensino do tipo “dedutivo” [auto-reflexivo], enquanto que a maioria das organizações de cunho esotérico usa mais o método “indutivo” [descritivo-expositor]. No Hermetismo, a pessoa “tem que ir tirando por si mesma as conclusões”, descobrindo por si mesma a verdade, chegando às suas próprias “conclusões”. Isto envolve um trabalho de paulatino amadurecimento psíquico pessoal diante do conhecimento tradicional e sabemos que a revelação direta de um conhecimento pode bloquear esta capacidade. Tendo recebido diretamente o ensinamento, em sem qualquer análise pessoal diante do mesmo, a pessoa dele toma ciência imediatamente. Por conseguinte, tenderá a não examinar detidamente o assunto, cuja conseqüência mais considerável é a perda do olhar analítico maduro sobre o tema. Assim, a compreensão e a efetiva internalização de questões herméticas mais avançadas podem tornar-se mais distantes.
Na realidade, a maior parte dos ensinos da  VOH não está escrita em livros e outros documentos, pois são conhecimentos integrantes da Egrégora da Ordem. Neste caso, é a própria pessoa que, ao ligar-se com a Egrégora, recebe-os diretamente, geralmente por inspiração intuitiva. A Ordem ensina uma série de princípios, mas não costuma revelar diretamente certos conhecimentos elevados, pois isto faz parte da busca pessoal, que é intransmissível e intrínseca. Cada estudante possui o seu repertório moral, ético, religioso, filosófico, artístico, político e científico. Possui a sua própria percepção sobre o Universo, a qual, aliás, é basicamente dinâmica e instável, assim como aquele repertório. A VOH transmite um manancial apreciável de informações, mas deixa uma grande margem de indagações sem resposta, para que a pessoa pense os temas, chegando às suas próprias conclusões. Nenhum “grau” é concedido pelo Instrutor hermético da Ordem, nenhum “título”, nenhum “símbolo”, nenhuma “palavra de poder”, nenhuma “admissão aos conhecimentos plenos de uma determinada Câmara”, pois tudo isto está registrado na Egrégora e é disponível para qualquer um, desde que tenha o conhecimento de como ligar-se aos registros. Portanto, o sentido de “segredo” não existe no Hermetismo, mas sim o de “reserva”. Existe apenas a recomendação para reservar os ensinos, para administrá-los de forma a mais criteriosa possível, a fim de não prejudicar o acesso da pessoa à Egrégora. A não ser por isto, não é exigido qualquer “sigilo especial”, excetuando-se um restrito número de ensinamentos, como aqueles que envolvem, por exemplo, a Magia[10]. Desejaremos ensinar àquele que dispuser de vontade, aplicação e tempo para os estudos desta natureza. Não sendo por isto, não vemos nenhuma importância em falar de assuntos de qualquer das Câmaras para uma pessoa cujo objetivo seja apenas “informativo” e não formativo, no que diz respeito ao objetivo de caminhar na senda do desenvolvimento espiritual direcionado para determinada área do saber hermético.
Em nossas monografias, abordaremos um imenso número de conhecimentos herméticos, distribuídos em Doze Câmaras, mas queremos dizer que a maior parte daquilo que dissermos diz respeito ao aspecto filosófico do Hermetismo. Não traduzirá, portanto, o aspecto prático operativo ou mágico. A quase totalidade dos conhecimentos sobre os quais temos redigido não era revelada diretamente no passado, não por ser “segredo intrínseco”, mas por envolver perigos para a quem falasse sobre tais assuntos. Durante muito tempo, bastaria um desses temas que redigimos para o Tribunal da Inquisição condenar uma pessoa ao martírio da fogueira, mas, como o nível de percepção de muitas nações e religiões amainou, tem sido permitida, então, a divulgação dessa temática, através de muitas pessoas suficientemente habilitadas para isto, em determinadas localidades do planeta. Mesmo que nos dias atuais haja menos perigos em falar de certos assuntos, ainda assim, no sentido prático, alguns ramos do conhecimento hermético precisam ser mantidos bem guardados. Certas informações devem ser restritas. Por isto, ao falar ou escrever sobre eles, deve ser usada uma forma de linguagem velada. Isto acontece quando se trata de conhecimentos dos quais possam advir prejuízos de diversos tipos quando mal empregados, como acontece, por exemplo, com a Alquimia e com a Magia.


INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Visto que diversos busca-dores têm indagado sobre a VOH, além do que já dissemos, exporemos mais algumas informações sobre a Ordem.
Como já dissemos, os ensinos esotéricos chegaram à Humanidade a partir de duas vertentes: a primeira deu origem aos Vedas. A segunda originou a civilização egípcia, cujo primeiro Mestre foi Thoth, a quem, posteriormente, os gregos associaram a “Hermes”. Como a cultura ocidental foi fortemente influenciada pala Grécia, os ensinamentos de Thoth passaram, então, a ser denominados “Ensinos Herméticos”. Ressaltamos também que é natural que uma tradição como a hermética, com muitos séculos de existência, tenha sofrido grandes transformações, muitas das quais resultantes de interpretações impróprias. Contudo, a par das ingerências humanas, a sabedoria deixada por Thoth permaneceu e tem permanecido ciosamente guardada pelos descendentes dos Sacerdotes do Olho de Hórus. A este respeito, muitos crêem que os ensinos ficaram totalmente perdidos, mas não é assim.
Parte dos ensinamentos de Thoth foi preservada e é exposta por determinadas organizações autênticas, entre as quais a VOH, cujo objetivo é o de ensinar aquilo que Thoth deixou, mas utilizando uma terminologia atual, comparando os ensinos egípcios antigos com as modernas descobertas e teorias da Ciência. Sabendo-se que a institucionalização oficial das organizações, através do tempo, acaba por tornar os ensinos alterados segundo os mais diversos tipos de interesse, a VOH assumiu uma posição diferente: prefere preservar os ensinos de forma menos vulnerável e adaptável às modificações estruturais da sociedade e ao desenvolvimento dos distintos ramos da ciência moderna, especialmente a Astrofísica e a Mecânica Quântica. Por esta e outras razões, certos Mentores Herméticos vêm inspirando algumas pessoas espalhadas por todos os continentes para auxiliarem neste trabalho.
A primeira cautela da  VOH é a não-constituição de organizações administrativas em seu nome[11]. Os ensinos da Ordem são transmitidos por Instrutores através de vários meios de comunicação, como, por exemplo, a internet, mas sem que haja uma regência central oficial. Na realidade, existe uma Regência, mas ela não é exercida por seres humanos encarnados no planeta Terra. Como já destacamos nesta monografia, existe uma orientação filosófica constituída por OS TRÊS INICIADOS. Em patamar abaixo, existe o Grupo dos Doze, cujo papel é orientar formas de levar o conhecimento à Humanidade. Periodicamente, este grupo se reúne, apenas para decidir sobre questões administrativas oficiosas. Ou seja, este Grupo não se reúne para discutir e opinar sobre a doutrina. A este respeito, ressaltamos que o nome "Venerável Ordem Hermética" foi escolhido como título nos países de língua portuguesa. Na verdade, foi escolhido o Latim, mas, nesta língua, as letras iniciais do nome da Ordem correspondem às mesmas das do português. Além disso, o Grupo dos Doze é auxiliado pelo Grupo dos Setenta e Dois, encarregados de orientar os Instrutores, nos sentido de esclarecimento de dúvidas.
Objetivando a não-institucionalização, a VOH recomenda não haver qualquer ônus financeiro para os membros. Nem mesmo contribuição destinada ao pagamento de aluguel de local para as reuniões, pois isso implica em pagamento de taxas ou mensalidades, as quais requerem um tesoureiro e, finalmente, uma diretoria[12]. Daí, um passo para “disputas por cargos”. A Ordem recomenda que as reuniões sejam realizadas, por exemplo, na casa de algum membro, preferencialmente em um local que não implique a cobrança de mensalidades. Se não houver um local assim, as reuniões podem até mesmo ser efetivadas em uma praia, em um sítio, debaixo de uma árvore, nas margens de um rio, etc. Além disso, a  VOH não dá carta de autorização a qualquer pessoa para falar oficialmente por ela, mas, ao mesmo tempo, concede o direito de qualquer estudante ensinar [até mesmo um discípulo que esteja iniciando os estudos] e levar os ensinamentos a outras pessoas que tenham o desejo sincero de aprender. Diante disso, alguém poderia indagar: “E se a pessoa adulterar os ensinamentos?” A Ordem responde: “se o que é transmitido não corresponde ao que deve ser ensinado, o máximo que pode ocorrer é a pessoa não conseguir estabelecer o contato com a Egrégora da Ordem, de modo que este canal de percepção não se abrirá. Jamais a VOH contestará qualquer pessoa ou organização que se diga “sua representante. O resulta do aprendizado é a resposta. 
Quando os discípulos alcançam necessário grau de compreensão, passam a receber ensinos diretamente, por afloramento de idéias, por sonhos ou por outros meios de percepção. Em dado momento da caminhada, o estudante pode ver [perceber] o símbolo[13] representativo da Ordem. Este símbolo se faz presente quando necessário e, dizemos ainda, é uma grande dádiva. Receber o símbolo da VOH significa que o estudante passou do nível de “discípulo” para o de membro do Ciclo Interno da Ordem. Trata-se de algo muito importante, pois auxilia em todas as decisões que não tenham razões claras para ocorrerem. A percepção do símbolo não significa esforço algum. Trata-se da sintonia psíquica da pessoa com a Ordem. Alguém que já tenha tido alguma ligação com a Egrégora em outras encarnações, pode recebê-lo até mesma antes de assumir a condição de discípulo. Há pessoas que passam muitos anos paras recebê-lo e há outras que, numa determinada encarnação, não o recebem, mesmo que ligadas aos ensinos herméticos. Quando acontece de a pessoa perceber o símbolo, não cabe dúvida, pois ele se apresenta com clareza e se repete de forma constante, até que a pessoa se dê conta de que se trata do símbolo sagrado da  VOH. Afirmamos que existem centenas de símbolos herméticos, mas estamos falando dos símbolos mais representativos da Ordem.
Já ressaltamos nesta monografia que os ensinos ministrados pela VOH são distribuídos em Doze Câmaras. O tempo de estudo de cada Câmara varia de Instrutor para Instrutor. No nosso caso pessoal[14], que já vimos ministrando palestras herméticas há mais de três anos, o objetivo da Primeira Câmara, cuja duração é de quinze meses, consiste no desenvolvimento dos Princípios Herméticos Clássicos e de mais alguns; na compreensão dos sete níveis de como o Poder Superior se manifesta; no conhecimento dos números de ZERO a DOZE; mais conhecimentos básicos sobre Thoth e do seu diálogo com Pimandro. Em relação à duração de cada nível de estudos, as Câmaras da Segunda à Oitava possuem a duração de dezoito meses e as Câmaras da Nona à Décima Segunda possuem a duração de doze meses. Salientamos também que a VOH não envia ou apresenta lições oficiais. Aos Instrutores, a Ordem estabelece a meta a ser atingida pelo discípulo, não importando a maneira como o façam. Textualmente, os escritos de determinado Instrutor podem ser bem diferentes de outro, mas a base e a meta são uma só.
Os discípulos podem reunir-se para o estudo da matéria. Mesmo alguma pessoa que não seja discípula de algum curso hermético pode participar. Apenas recomendamos um bom critério de escolha. Qualquer discípulo pode ter o seu grupo de estudos, procurando seguir o que lhe estiver sendo transmitido. Quando surgir alguma dúvida, recomenda-se consultar o Instrutor. Não há pelo que temer. Se houver sinceridade de propósito, se a intencionalidade for válida, a própria Egrégora da VOH se fará presente sob a forma de inspiração. Contudo, desconfiem de um Instrutor que disser que aquilo que ensina é a “verdade efetiva” e que outras organizações religiosas ou filosóficas “são falsas”. Aquele que assim proceder, não entendeu a base doutrinária do Hermetismo, cujo Primeiro Princípio afirma que O UNIVERSO É MENTAL. Isto quer dizer que tudo é ilusão. A proposta fundamental da VOH é libertar o ser do jugo da mente, tornando-se ciente de Quem realmente É. O conteúdo das monografias da VOH segue uma linha hermética tradicional e autêntica, como já destacamos. Nesse sentido, expomos, abaixo, as principais fontes a partir das quais temos redigido os temas oferecidos. 1) Cerca de 7000 obras místico-filosóficas e científicas sobre os temas apresentados; Transcrições de palestras proferidas pelo Instrutor José Laércio do Egito, em seu grupo de estudos herméticos, no estado de Pernambuco, Brasil; 2) Reflexões e comentários suplementares do Instrutor José Laércio do Egito; 3) Reflexões e comentários do Instrutor Marcelo Santiago, que mantém um grupo de estudos herméticos na cidade do Rio de Janeiro, Brasil; 4) Conexões psíquicas com a Egrégora da Ordem e orientações de alguns Mestres; 5) Ensinamentos de Ordens Iniciáticas; 6) Deduções lógicas fonte intuitiva; 7) Perguntas de busca-dores em grupos de estudo.
Para clareza adicional a respeito daquelas fontes, expomos, a seguir, as principais finalidades da existência da  VOH: 1) Formar Egrégora positiva e correlata aos ensinamentos transmitidos; 2) Contribuir para a formação de grupos de estudo; 3) Oferecer a pessoas interessadas e sinceras, em terminologia clara, determinados ensinamentos místicos, os quais existem apenas, geralmente, em linguagem velada; 4) Ministrar palestras para grupos de estudo; comparar ensinamentos de diferentes Ordens místicas, evidenciando que, na maioria das vezes, as divergências existentes dizem respeito tão somente à terminologia de cada uma, visto que, em essência, as organizações autênticas são semelhantes; 5) Mostrar que existem grandes verdades em certas doutrinas religiosas, assim como mostrar que grandes Iniciadores foram seres divinamente assessorados, tais como Jesus, Buda, Maomé, Lao Tsé, Confúcio e outros Mestres; 6) Estabelecer comparações entre a ciência oficial e determinados temas herméticos.
Como esclarecimentos suplementares, informamos que, inicialmente, os temas escritos não haviam sido submetidos a uma revisão gramatical precisa, visto que eram oferecidos praticamente como eram redigidos ou gravados durante as palestras herméticas do Instrutor José Laércio do Egito. Entretanto, recentemente, por iniciativa de alguns Instrutores, como, por exemplo, Marcelo Santiago, muitos temas herméticos da VOH têm sido revisados e reorganizados, de modo a se adequarem à norma culta padrão da língua portuguesa. Quanto ao conteúdo místico dos temas, não tem havido e não haverá qualquer alteração. Eventualmente, algumas notas ou partes estruturais dos textos são inseridas ou reorganizadas, mas este trabalho não comprometerá a essência hermética dos ensinamentos transmitidos. Este trabalho de revisão gramatical deverá levar ainda alguns anos para ser “concluído”. A este respeito, ressaltamos que quase todas as monografias da Primeira Câmara da VOH já foram submetidas a uma primeira revisão lingüística geral. A cada ano, passarão por novas revisões, para que se tornem cada vez mais adequadas à norma culta padrão da língua portuguesa.
Nas monografias herméticas, usamos o verbo crear em lugar de “criar”, porquanto possuem sentidos místico-filosóficos distintos. “Crear” é empregado no sentido de “gerar”; “criar”, na acepção de “cuidar”. Por exemplo, a mulher gera [gesta] o filho, “crea”, e, depois, o “cria”. Além disso, em nossas monografias, existe grande volume de informações ocultas, segundo os sistemas clássicos de criptografia cabalística, assim como os de outras organizações. Por esse motivo, existem muitas palavras “grifadas”, em “negrito”, em “itálico”, em “maiúsculas”, onde não caberiam, segundo a norma culta oficial, os destaques em questão. A este respeito, sabemos que pessoas ligadas a alguns movimentos tradicionais entenderão perfeitamente o sentido oculto daquelas palavras destacadas... Em muitas monografias, existem, ainda, desenhos e símbolos com significações místicas específicas. Em determinados momentos, os parágrafos, períodos e frases parecem “incompletos”, “repetidos” ou “não obedecendo a uma correta distribuição textual”. Na realidade, isso representa uma forma velada de escrita. Um parágrafo “mal dividido” num tema pode ter a sua continuidade num outro tema, segundo uma ordem numérica que o Estudante meticuloso descobre nos próprios assuntos tratados. Por esta razão, em alguns casos, não há uma ordem de redação estritamente ligada à lógica lingüística da coesão e da coerência textuais, pois isto anularia grande parte do que existe criptografado pelo nosso sistema redacional. Existem também determinadas combinações de símbolos, que, mesmo não sendo diretamente percebidos pelo Estudante, possuem, ainda assim, relevante ação psíquica sobre a mente. Muitas daquelas combinações visam à efetivação de iniciações a nível psíquico, cujos efeitos se farão sentir de vários modos. Cada vez que a leitura de um tema é repetida, surge um novo patamar de compreensão, de modo que recomendamos que alguns sejam lidos várias vezes. Desta forma, a compreensão da pessoa, por certo, será ampliada e refinada, de modo que revelações antes não percebidas se farão, então, sentir. As monografias da Ordem possuem grande número de palavras de poder. Por isso, recomendamos que o estudante leia os temas com a devida atenção. Sugerimos a leitura de um tema de cada vez e, trata-se apenas de uma recomendação, não mais que dois por dia.
Estas monografias podem ser lidas como “se fossem um livro”, ou seja, lidas “de uma vez”. Mas isto apenas fornece uma idéia de conjunto, pois o aproveitamento integral apenas se fará sentir caso seja efetuada uma leitura meticulosa de cada tema, de cada idéia exposta, de cada parágrafo e mesmo de cada palavra e símbolo. Por esta razão, as monografias, em sua quase totalidade, não são longas, geralmente compreendendo de 5 a 7 páginas. Por um lado, isto tem como finalidade não cansar o leitor, de não sobrecarregar a sua mente, mas, por outro lado, tem como finalidade fazer com que as palavras de poder, os símbolos e outros elementos possam atuar de modo preciso na mente, a fim de que certos resultados psíquicos venham a manifestar-se.
O vasto acervo de monografias da VOH configura um trabalho que diversas pequenas organizações estão estimulando a ser feito com os acervos de escritos herméticos, os quais, até bem pouco tempo, eram guardados sigilosamente. É chegado o momento de certas verdades místicas voltarem à tona, facultando a creação de uma egrégora protetora daqueles que tentam escapar do materialismo dominante e da influência escravista da mente. Por esta razão, esse acervo é relativamente livre. Até certo ponto, as monografias estão liberadas para distribuição entre pessoas sinceramente interessadas nos assuntos tratados. O intuito da VOH não é o de formar “seitas”, “ordens”, “sociedades” ou qualquer forma de proselitismo que tenha como finalidade “ganhos pecuniários”. Muitas monografias não visam a ensinamentos especiais, mas sim situar as pessoas dentro do assunto. Por exemplo, quando falamos de Cabala e de outros sistemas, não estamos querendo ensiná-los ou mesmo trazer aprofundamento sobre esses tópicos, pois isso já existe eficientemente em diversas obras válidas. Nosso intento é o de situar as pessoas dentro do contexto, trazendo-lhes informações simples, mas suficientes para que possam entender o que é exposto nos temas mais avançados. Muitos assuntos objetivam mostrar as tramas que existiram e ainda existem por detrás de muitas doutrinas.
O conteúdo contido nas monografias não deve ser encarado como propriedade intelectual de autor definido, mas como a materialização lingüístico-textual de parte dos ensinamentos constantes na Egrégora da Ordem. O que importa é que o objetivo da VOH seja atingido: livrar, paulatinamente, o ser do jugo da mente.


[1] A “Conjura do Silêncio”, ou “Obscurantismo”, representa a associação de determinados indivíduos, próximos ou distantes entre si e encarnados na Terra, os quais visam à interdição e à eliminação dos ensinamentos místicos. A “Conjura” tem sido inspirada psiquicamente por certos seres, pertencentes a outras dimensões, os quais configuram aquilo que denominamos “Terceiro Interesse”. Este assunto será estudado na subárea “Teoria dos Códigos”, durante a Segunda Câmara Hermética.

[2] Ainda nos dias atuais, esta força detratora persegue e tenta eliminar os ensinos herméticos.

[3] A VOH possui grupos de estudos em determinados países. A título de exemplo, citamos o Brasil, onde existem alguns grupos de estudo ativos. Neste país, na cidade do Rio de Janeiro, citamos a Ordem Centrênica, CENTRE, a qual é um dos grupos de estudo da VOH. Este grupo é comandado pelo Instrutor Marcelo Santiago. Também no Brasil, mais precisamente na cidade de Gravatá, estado de Pernambuco, existe outro grupo de estudos da VOH, o qual é dirigido pelo Instrutor José Laércio do Egito. 

[4] Uma “Egrégora” é um registro mental associado a determinado padrão de pensamentos.

[5] A Tábua da Esmeralda é a lápide, repleta de hieróglifos e símbolos, sob a qual jazia intacto o corpo de Thoth. Esta lápide contém as mais importantes revelações cósmicas.

[6] Muitos têm procurado o Templo da Esfinge, sem ainda terem encontrado a sua localização física. Na verdade, afirmamos que o Templo da Esfinge existe e é atuante, mas ao nível não-material [astral].

[7] Estas monografias compõem o módulo “Antropomística V” e serão abordadas na Décima Segunda Câmara.

[8] Antiga e Mística Ordem Rosae Crucis. Ordem fundada em 1915, por Spencer Lewis [1883-1939], em Nova York.

[9] Ou Ordem Hermética da Aurora Dourada. Embora, em sua forma original, esta Ordem não exista mais, continua ativa em determinados grupos de estudos correlatos.

[10] Abordada na Oitava Câmara.

[11] Esclarecemos que a Ordem Centrênica, CENTRE, embora se fundamente nos ensinamentos da VOH , não é representante oficial desta Ordem hermética. São, portanto, duas organizações independentes. Apenas o CENTRE se propôs a levar os conhecimentos da VOH.  Assim, qualquer divisão didático-administrativa que o CENTRE possui diz respeito única e exclusivamente à sua própria estrutura organizacional.

[12] Mesma observação da “nota 8”.

[13] Ma verdade, os símbolos indicativos são três. O primeiro deles normalmente é descoberto por dedução lógica, mas, em sentido prático, isso não possui qualquer valor, pois será um “símbolo mudo”. Ou seja, não passará de “mero desenho”. Quando o símbolo procura o discípulo, ele é ativo, responde às indagações. Já é bem mais difícil chegar, por dedução, ao segundo e dificílimo ao terceiro. Só quando o discípulo apresenta o desenvolvimento psíquico necessário a ponto de acessar a Egrégora, então, os símbolos indicadores, como centenas de outros, apresentam com toda a clareza e de forma ativa. Lastimamos aqueles que forçam o intelecto a “descobrir” os símbolos sagrados da VOH, porque, os que assim agem, nesta ou em outra encarnação, jamais o ativarão. Não há segunda chance. Carregarão ao longo do resto da encarnação uma “mera imagem mental”, sem qualquer valor prático.

[14] No CENTRE.

5 comentários:

jonathan nascimento disse...

Olá, gostaria de estudar hermetismo, mandei um email para ordem centrenica, porem não me responderam, queria saber se há como mandar um email para José Laercio?

Carlos Henrique Meneguitte disse...

Bom Dia,
Quero participar dos estudos da V:.O:.H:. ou do CENTRE e peço me enviarem um contato, moro na Cidade de Vitória da Conquista na Bahia meu e-mail é: cmeneguitte@gmail.com

Obs. Sou Maçom e Discípulo da UDV

Abraço Fraterno,

Carlos Meneguitte

ítalo disse...

bom dia, quero saber mais sobre o funcionamento da V:.O:.H:. e, se possível, também participar dos seus estudos. venho me dedicando ao estudo do hermetismo e da cabala, por conta própria, mas sinto a necessidade de uma orientação, tanto em teoria, quanto no trabalho prático.

moro em joão pessoa, pb. agradeço se puderem entrar em contato.

italo_marinho@hotmail.com

abraço

AK Trek Lembrançinhas disse...

Se possível for!
alessandrobenavides@gmail.com

Nilvande Nougueira disse...

Alguém me informa como entrar em contato com o José Laércio do Egito? Tenho interesse em fazer parte do grupo de estudos da VOH.